Os mais antigos de Paris

Paris é uma cidade histórica e milenar! Já passou por muitas lutas e dominações, incluindo o Império Romano, viu passar uma extensa linhagem de reis e soberanos e nos oferece hoje o resultado de tantos séculos. Ela é realmente como Victor Hugo dizia, um resumo dos costumes mortos e dos costumes vivos!


Apesar das inúmeras construções e reformas que marcam Paris, nossa querida cidade-luz ainda esconde (felizmente) muitos vestígios dos séculos passados. Entre restaurantes, monumentos, bibliotecas e até mesmo calçadas, apresentamos “os mais antigos de Paris” para uma pequena viagem no tempo!


1- As Arenas de Lutécia

Os amantes da história sabem que Paris (na época chamada Lutécia) foi uma importante cidade romana, mas muitos visitantes não sabem que as ruínas de um dos maiores anfiteatros romanos do mundo encontram-se um pouco a sudeste do centro da cidade, no 5º arrondissement.


As Arènes de Lutèce, anfiteatro romano construído no séc. II d.C., ficava justamente na rua de entrada de Paris, o que permitia ao viajante que chegava ou partia perceber essa construção elaborada, rica e suntuosa. Construída de tal forma para se beneficiar da iluminação natural, possuía nichos para favorecer a acústica, toldos para proteger os visitantes do sol e da chuva e chegava a comportar 15 mil pessoas. Ali eram exibidas as obras clássicas do teatro bem como as batalhas de gladiadores, que lutavam com animais e entre si, fazendo a alegria do público - os famosos jogos romanos.


As arenas foram destruídas durante as invasões bárbaras e o anfiteatro se tornou um cemitério, vindo a ser soterrado posteriormente para a construção de uma muralha. Passou muitos séculos no esquecimento e somente no séc. XIX é que suas ruínas foram reencontradas durante as escavações para a abertura da rua Monge. Elas quase foram totalmente destruídas para dar lugar às grandes reurbanizações e somente foi preservada após a manifestação de Victor Hugo.


Seu terraço interior é agora um local de piquenique e o campo de futebol favorito das crianças da escola do bairro. Local ideal para se sentar, ler um livro, relaxar e pensar como devia ser a Lutécia daquela época!


Arènes de Lutèce

49 rue Monge, 75005

Como chegar: Metrô linha 7, Place Monge

2- A Passage du Caire

Construída em 1798, em plena campanha do Egito, esta é a passagem mais antiga existente e também a mais longa da cidade, com 370 metros. No início ela se chamava “Passage de la foire du Caire” (Passagem da Feira do Cairo) e foi construída em substituição ao convento e ao jardim das Filles-Dieu. As três galerias das passagens Saint-Denis, Sainte-Foy e galeria do Caire foram pavimentadas com as pedras das religiosas.


Anteriormente dedicada à impressão e à litografia, ela é hoje o templo do prêt-à-porter, ocupada por atacadistas e fabricantes de vestuário. Você poderá observar na decoração de sua fachada (2, Place du Caire) três efígies de Hathor, a deusa egípcia do amor, da maternidade, da beleza e da música.


Passage du Caire

2, Place du Caire, 75002

Como chegar: Metrô linha 3, estação Sentier

3- A pâtisserie Stohrer



Foi na deliciosa rue Montorgueil que Nicolas Stohrer escolheu para abrir seu estabelecimento em 1730. Stohrer era o pâtissier de Marie, a filha do rei Stanislas de Pologne. Quando ela se casou com o rei Louis XV, em 1725, Nicolas Stohrer a acompanhou até Versailles e foi na Corte do Rei que o pâtissier se tornou famoso.


Na cozinha do 51 rue Montorgueil são feitos Baba au Rhum (uma receita inspirada na Polônia) como nunca! Assim, este é um lugar que merece ser conhecido, já que ele foi classificado como Monumento Histórico graças a sua fachada e à sua decoração interior realizadas pelo pintor Paul Baudry.


Stohrer

51, rue Montorgueil, 75002

Como chegar: Metrô linha 4, estação Les Halles

Site: Stohrer

4- O restaurante La Tour d´Argent

Hoje, os turistas vão a este restaurante para poder jantar em umas das mais antigas mesas de Paris, já que elas datam de 1582. E o que também seduz os clientes é a vista sublime de Paris, especialmente da Notre-Dame.


O Cardeal Richelieu, Alfred de Musset e até mesmo Kennedy já cruzaram as portas desse restaurante que permanece como um dos incontournables de Paris. Porém, para um jantar ali é preciso não ter restrições orçamentárias! Afinal, trata-se de uma experiência gastronômica, histórica e cultural ao mesmo tempo!


La Tour d´Argent

15 Quai de la Tournelle, 75005

Como chegar: Metrô linha 7, estação Pont Marie

Site: Tourdargent

5- A biblioteca Mazarine

A biblioteca Mazarine é a mais antiga biblioteca pública da França, e foi aberta aos acadêmicos em 1643. Assim, ela era a mais rica da Europa com cerca de 40 mil volumes durante o século XVII! Atualmente, podemos encontrar e consultar cerca de 600 mil documentos, 220 obras e objetos de arte ou ainda centenas de papéis restaurados.



Sorte a nossa que esta joia histórica esteja aberta a todos, gratuitamente, sendo possível até participar de visitas guiadas!


Bibliothèque Mazarine

23 Quai de Conti

Como chegar: Metrô linha 4, estação Pont Neuf

Site: Bibliothèque Mazarine

6- A acácia na Square René Viviani

Esta é a árvore mais antiga de Paris, plantada em 1601 e se encontra exatamente na Square René Viviani onde podemos admirá-la.


As mudas dessa antiga árvore foram trazidas da América por Jean Robin, um botânico próximo do rei Henri IV. Se esta acácia ancestral ainda resiste, mesmo com mais de quatro séculos, suas raízes começam a dar sinais de fadiga: sob o peso de seus galhos e de sua altura (15 metros!), seu tronco se envergou.


Mas ela é bem tratada por uma equipe de jardineiros que lhe podam regularmente. E a cada ano, na primavera, lenhadores profissionais retiram a madeira morta e a liberam de seu cobertor de hera, aliviando o peso dessa ilustre anciã.


Então, aproveite sua passadinha pela Shakespeare and Company na próxima viagem e dê uma esticadinha até a praça ao lado, que você estará na Square René Viviani e faça uma visita a este belo monumento!


Square René Viviani

25 Quai de Montebello, 75005

Como chegar: Metrô linha 4, estação Saint-Michel Notre-Dame

7- A calçada da Pont-Neuf

Você com certeza já a viu e até já caminhou por ela sem saber de sua importância. Entretanto, essa calçada é a primeira de toda a cidade! Antes de se tornar a cidade moderna que conhecemos hoje, Paris era um esgoto a céu aberto, desprovida de lixeiras e de calçadas. Mas no início do século XVII um vento de revolução sopra sobre a cidade.


Estamos no ano de 1607 e a construção da Pont Neuf chega ao seu fim. Ela é a primeira ponte de pedra a atravessar Paris que não possui construções sobre ela e a primeira ponte a ter calçamento para os pedestres!


Porém, mais de 100 anos se passaram sem que uma segunda calçada fosse instalada em Paris....


Pont Neuf

Como chegar: Metrô linha 7, estação Pont Neuf

8- O Obelisco de Luxor


E o mais antigo monumento de Paris, contrário ao que podemos pensar, tem mais de 34 séculos e você com certeza já deve ter passado por ele sem saber! Trata-se do Obelisco de Luxor que fica bem no meio da Place de la Concorde. Este monumento foi construído sob o reinado de Ramsés II no século XII a.C. e foi transferido do Egito até Paris em 1830, após uma verdadeira saga! Saiba mais neste post dedicado a ele.



Obelisco de Luxor

Place de la Concorde, 75008

Como chegar: Metrô linhas 1, 8 e 12, estação Concorde

A série Os mais antigos de Paris foram publicados originalmente na nossa newsletter e enviados para nossos assinantes em primeira mão! Assine e junte-se a todos que querem saber mais de Paris! É só clicar aqui!


#parisprafotografar #parishistórica #parispraler #osmaisantigos #parisfree #arrd001 #arrd002 #arrd005 #arrd008