Etiqueijo - a etiqueta do queijo francês


Comer queijo na França pode parecer muito comum, rotineiro, mas o mundo do queijo francês é um assunto levado muito a sério. Afinal, como eles dizem na França, "uma refeição sem queijo é como um dia sem sol".


Um francês consome, em média, 25,9 kg de queijo por ano, de acordo com uma pesquisa de 2013 da Federação Internacional de Laticínios. Isso quer dizer que uma pessoa come quase meio quilo de queijo por semana!


Para se ter uma ideia, os americanos consomem meros 15,4 kg por pessoa por ano e os ingleses, 11,6 kg.


Portanto, não estranhe se, nas compras de fim de semana uma família francesa voltar pra casa com mais de 10 variedades de queijo que provavelmente não irão durar até o fim da próxima semana.


E no país que inventou a etiqueta, o queijo não poderia ficar de fora. Assim, da mesma forma que a etiqueta à mesa ou do vinho, algumas regras devem ser observadas quando o queijo é servido e consumido. Claro que as regras podem ser esquecidas se você estiver entre amigos e familiares, mas se você realmente quiser impressionar seus amigos franceses, aqui vão algumas regras da Etiqueijo!


Queijo não é aperitivo

Servir queijo como aperitivo antes do jantar como costumamos fazer é algo impensável na França. De fato, servir o queijo a qualquer hora do dia ou da noite é considerado um faux-pas. O horário apropriado para saborear o queijo é antes da sobremesa!


Horário certo de servir

Na Inglaterra, terminar a refeição com queijo e uvas é muito comum mas na França eles nunca fariam isso, e por uma boa razão: alguns queijos tem um odor muito forte. Então, imagine os convidados continuando a conversa após o jantar com hálito de Camembert.... Assim, os franceses sempre servem a sobremesa após a tábua de queijos.


Sem torradinhas, por favor

O queijo somente deve ser servido com pão, e mais nada! E nem sempre precisa ser baguette. Mas nunca com torradas! De acordo com os franceses, as torradas retiram o sabor do queijo, não permitindo apreciá-lo adequadamente.


Vinho tinto para acompanhar

Em geral, a tábua de queijos é servida acompanhada de vinho tinto. Apesar de nem sempre ser assim, esta é a recomendação. Qual o melhor vinho para cada queijo é assunto para uma outra newsletter, mas uma forma de não errar é harmonizar o vinho com o queijo da mesma região.


Deixe o queijo respirar

O queijo não deve ser servido assim que for retirado da geladeira. Como o vinho, ele também precisa respirar! Assim, retire-o e acomode-o na tábua pelo menos meia hora antes de ser servido. A temperatura ambiente favorece para que os aromas e sabores prevaleçam.


Ímpar é melhor que par

A "etiqueijo" recomenda que a quantidade de queijos a ser servida deve ser sempre ímpar, ou seja, 3 tipos de queijo, no mínimo. E para que possa sempre haver equilíbrio no Universo, sempre deve haver três variedades: um queijo macio, um duro e um do tipo Roquefort ou de cabra.


Atenção ao corte


O corte do queijo é um dos aspectos mais cruciais da etiqueijo, pois é um caso de geometria e boas maneiras. Para cada formato de queijo há a maneira correta de cortar.


Os redondos, os mais fáceis de todos, é só cortar fatias da espessura de um lápis. Para os de cabra, mais alongados, corte-os em fatias paralelas.


Para os queijos quadrados, o formato do corte é em triângulos. Para um queijo retangular tipo Comté, é só cortar fatias paralelas à casca. Para os de formato piramidal, corte-os em uma fatia e depois divida-os ao meio.


Para o Brie, nunca corte a ponta do queijo, a parte mais próxima do centro que detém todo o sabor. Ao invés, corte ao longo da ponta, assim cada fatia vai ter um pouquinho do sabor. A mesma regra vale para o Roquefort.


Você pode se perguntar por que toda essa trabalheira na hora de comer o queijo e por que não deixá-lo já cortado antes de os convidados chegarem. Porém, cortá-los antes de consumir iria comprometer a cremosidade e sabor do queijo, um faux-pas óbvio!


Um pãozinho para um queijinho

Não vá meter na boca um pedaço de queijo com pão, como se fosse um selvagem! Lembre-se do mantra: um pãozinho para um queijinho! Assim, gentilmente, coloque a fatia de queijo sobre o pão em um tamanho que caiba em uma mordida (pequena). Ah, e por favor, resista à tentação de espalhar o queijo sobre o pão. Não estamos comendo requeijão!


Do mais suave ao mais forte

Quando for comer, comece com os queijos mais suaves e vá passando gradativamente aos mais fortes. Por exemplo, você pode começar com o Brie, seguir para o de cabra e terminar com o Roquefort ou Camembert. Dessa forma, suas papilas gustativas aproveitarão muito mais!


Não contamine os queijos!

E pelo amor do que houver de mais sagrado, se não houver uma faca para cada tipo de queijo, limpe-a num pedaço de pão antes de cortar um outro tipo. Assim evita-se a contaminação cruzada dos sabores!


E quanto à casca?

Bem, até os franceses discordam nesse ponto. Assim, você decide! Siga seu coração (ou melhor, seu estômago!).


Cuidado com as sobras

Guardar as sobras em embalagens plásticas ou de pvc irá sufocar o pobre queijo. A melhor maneira de mantê-lo frescos é guardar em uma cheese bag, que permite que o queijo respire e mantenha sua humidade natural. Caso você não tenha uma, você pode embrulhar o queijo em uma folha de papel manteiga e depois, deixando o pacote bem solto, colocar num filme

plástico.


Bem, agora você já conhece as principais regras da etiqueijo! Que tal aplicá-las na próxima reunião com os amigos? Mas como sempre dizemos, as regras existem para serem conhecidas e seguidas, mas também transgredidas com bom humor e leveza! Não vá se transformar no (chato) fiscal da etiqueta.

Fonte: The Local fr

Fotos: Thomas Liasne/Les Filles à Fromage


PS: este artigo faz parte da Newsletter Paris pra Mim. Se você gostou, inscreva-se para receber textos legais como este em primeira mão! Afinal, Paris cabe na sua caixa de entrada!


#parispracomer

1 visualização