Como era a Paris da era Medieval?


O século XVI marca a passagem da Idade Média para a Renascença. Paris se transforma tanto no plano intelectual especialmente com a fundação do Collège de France em 1530 quanto no plano arquitetônico: a primeira pedra do novo Hôtel de Ville é lançada em 1533 e as mais antigas construções do Palais du Louvre remontam 1546.


Um novo olhar sobre a Idade Média

Quando ouvimos falar de Idade Média imediatamente pensamos em doenças, fome, ignorância... julgar o passado com os olhos do presente é algo muito comum atualmente. Mas o passado muda todos os dias, graças ao trabalho dos historiadores.


Ao contrário do que é comumente difundido, a Idade Média não foi um período obscurantista, que só teve misérias, penúrias e epidemias. Ao contrário, na Idade Média Central não existia miséria - a fome se instalou no século XIV devido à razões climáticas (uma mini era glacial) que prejudicou as colheitas.


A miséria difundida não é verificada pela arqueologia. A economia era próspera, mas a acumulação de bens não era o que interessava ao homem da Idade Média - a circulação de objetos era a moeda da época e as transações econômicas aconteciam através da circulação desses objetos, os quais existiam em abundância em todas as casas, desde as mais ricas até as mais pobres, através de meios de troca sofisticados. Assim, até o século XIV a riqueza era abundante na Idade Média.


Também foi durante esse período, erroneamente chamado de idade das trevas, que as boas maneiras à mesa surgiram. Como os copos e utensílios eram compartilhados era necessário um código de regras que permitisse a cordialidade à mesa.


Outro conceito a ser desconstruído é o da falta de higiene e de que as pessoas não tomavam banho. A estética e o cuidado com o corpo passava não só pela dimensão da higiene, mas também da beleza e da aparência e não era algo exclusivo das mulheres.


O culto às ciências nos séculos XIX e XX foi o responsável por criar o estigma da Idade Média, representando-a como uma sociedade arcaica e retrógrada, como uma forma de aumentar a relevância do presente diminuindo e desacreditando o passado.


Assim o que verificamos é que na Idade Média as pessoas tinham outro sistema de crenças e de valores, outra sensibilidade. Por isso, julgar e condenar o passado com os olhos do presente é algo arriscado.


Fonte: Curso História das Civilizações Ocidentais - Idade Média e Renascença - École du Louvre - Ciclo 2019/2020


Paris Medieval

Voltando à Paris medieval, os primeiros planejamentos da cidade que chegaram até nós datam dessa época. Eles dividem a cidade em três partes: a Cité que corresponde à île de la Cité onde se encontram o bispado e o Palais Royal, a Universidade que corresponde à rive gauche onde se encontram as escolas e, enfim, a Cidade, lugar de moradias que corresponde à rive droite.

Excetuada pela Pont Neuf, o conjunto de pontes recebem construções (casas, ateliers, comércios...) e pode-se assim atravessar o Sena sem nem mesmo perceber o rio.


Para mergulhar nessa Paris da Idade Média, uma época muito mais rica culturalmente do que é normalmente difundido, a Grez Productions fez uma reconstituição em 3D da cidade tal qual ela se apresentava em 1550, antes das grandes transformações da Renascença.


Fonte: Paris Zig Zag. Clique aqui para ler o artigo original.


#parishistórica #pariscultural

9 visualizações