ok - O designer de vitrines de Paris

Ele tem apenas 1,60m de altura, mas é um grande personagem. Este senhor de 78 anos é um parisiense legítimo, no estrito senso da palavra: nascido e criado em Paris, cidade na qual viveu toda sua vida, assim como seus pais. Mesmo que não mencionássemos esse fato, poderíamos ainda sim, sem dúvida alguma, chegar a essa conclusão graças ao seu autêntico sotaque parisiense que nos lembra os filmes antigos. Este home de grandes olhos azuis é fotografado várias vezes por dia durante o seu trabalho. Ele intriga os transeuntes…conheça abaixo sua história!


O que é um pintor de letras?

Um senhor idoso vestindo uma blusa branca manchada de tinta, diante das vitrines dos cafés ou comércios não chega exatamente a chamar tanta atenção. Ele realiza um trabalho que não pretende deixar por nada no mundo por que, segundo ele, “seu trabalho é o melhor e a aposentadoria é impossível! ”. Seu nome? Jacky. Seus piores inimigos? As impressoras, o plástico e a nova tecnologia. Seus clientes? Donos de restaurantes, de livrarias e todo o tipo de comerciante parisiense. Sua profissão? Pintor de letras!



Obrigado a recusar trabalho todos os dias

Um ofício antigo no qual todos se interessam: as pessoas mais velhas que já conheciam seu trabalho aos jovens designs que querem reacender a chama do vintage. Jacky é tão requisitado que se vê obrigado a recusar trabalho todos os dias! Apesar de sua idade, ele não conta as horas. Às vezes chega a trabalhar 90 horas em uma semana, sem dia de descanso. Ele, que conhece Paris como a palma de sua mão, preenche seus dias pintando as vitrines dos comércios e escrevendo nas ardósias dos restaurantes, como era feito antigamente. Outros homens como ele, ele desconhece. É um ofício que praticamente não existe mais por causa das letras de plástico que são destacadas e coladas nas vitrines das lojas.


A arte de manusear as letras

Quando essa entrevista foi realizada, Jacky estava trabalhando na vitrine do Bar du Marché, um pequeno bistrot na rue Daval, no 11ème. Os clientes regulares lhe consideram hoje como uma pessoa da família. Ele passa o dia todo ali, almoça com o pessoal do restaurante. Uma relação privilegiada que ele mantém com todos aqueles para quem trabalha. É o que faz de Jacky tão feliz. Sua missão do dia, que nesse caso era escrever nas ardósias no exterior do restaurante. Ele começa rascunhando algumas letras sobre um velho envelope retirado de seu bolso. Em seguida, ele retira um antigo metro amarelo já gasto para medir os símbolos. Coloca uma caixa pesada diante da ardósia e sobe nela.


De prender o fôlego

Ele começa com o giz. Em seguida, ele retira de seus apetrechos uma dúzia de pincéis, uma lata de conserva na qual ele coloca água, e outras caixinhas para a pintura. Jacky leva pelos menos 2 minutos escolhendo o pincel que irá trabalhar. Começa a primeira camada, depois uma segunda. Ele chega até a prender a respiração para deixar as letras o mais perfeito possível. Um verdadeiro trabalho de profissional que, apesar de tudo, é executado de maneira muito natural. As letras permanecerão marcadas nessa ardósia por muitas décadas. Jacky não trabalha sempre com a mesma fonte, mesmo que seu estilo retrô seja reconhecível em cada restaurante onde já trabalhou.


Uma profissão quase desaparecida

Seu ofício é algo que ele ama e que conhece de cor. É por isso que ele entristece de ver a profissão nessa condição, quase desaparecendo. As letras pintadas à mão foram substituídas por letras em adesivos plásticos que vemos na maioria dos comércios. Felizmente por Jacky, ainda existe comerciantes que são sensíveis à arte das belas letras. Mas não será mais como era antigamente, onde tudo era pintado à mão. Mas, apesar disso, com a moda do vintage, jovens comerciantes estão se voltando a esse tipo de profissional para dar um estilo único ao seu negócio. E qual a obra da qual Jacky mais se orgulha? Os medalhões dourados a dois metros de altura no alto do restaurante Les Noces de Jeannette. Um estilo que seus amigos sabem reconhecer com apenas um olhar!


Então, quando estiver passeando por Paris e vir uma vitrine pintada à mão, procure pela assinatura de Jacky, o designer das belas letras, e saiba que esse é um estabelecimento que preza pela qualidade!


Fonte: Paris Zig Zag/ Pauline Hayoun

Fotos: Lucie Smeriglio

0 visualização